Mosca-branca

  • Sintomas

  • Causador

  • Controle biológico

  • Controle químico

  • Medidas preventivas

Mosca-branca

Aleyrodidae

Inseto


Resumo

  • As moscas-brancas pousam na face inferior das folhas e se espalham quando a planta é sacudida.
  • Manchas cloróticas aparecem nas lâminas das folhas.
  • Essas manchas mais tarde colaescem e a folha eventualmente fica amarela, exceto a área ao redor das nervuras.
  • As folhas podem mais tarde se enrolar.
  • Pode haver presença de fumagina.

Hospedeiros(as):

Feijão

Pimentão e Pimenta

Berinjela

Cerejeira

Pepino

Abóbora

Abobrinha

Tomateiro

Repolho

Alface

Batata

Feijão-mungo

Feijão-guandu

Grão-de-bico

Algodoeiro

Soja

Outra

Cebola

Sorgo

Milho

Morangueiro

Bananeira

Citros

Amendoim

Mandioca

Cana-de-açúcar

Melão/Melancia

Lentilha

Couve-flor

Ornamental

Sintomas

As larvas e os adultos consomem a seiva da planta e provocam manchas cloróticas, que aparecem na lâmina foliar. Essas manchas ficam, mais tarde, apresentar o crescimento de fumagina. No caso de infecções graves, as manchas podem coalescer e englobar toda a folha, que, eventualmente, fica amarela, exceto na área ao redor das nervuras. As folhas podem posteriormente ficar deformadas e se enrolar. As moscas-brancas transmitem vírus, como o vírus TYLCV (Tomato Yellow Leaf Curl Virus) ou CBSV (Cassava Brown Streak Virus).

Causador

As moscas-brancas medem ao redor de 0,8 mm e apresentam o corpo e ambos os pares de asas cobertos por uma secreção cerosa e pulverulenta, de coloração branca a amarelada. Em geral, são encontradas na face inferior das folhas, onde as fêmeas depositam seus ovos e onde aparecem escamas larvais minúsculas, de coloração amarela a branca, visíveis a olho nu. Em infestações severas, numerosas moscas-brancas pequenas e de coloração branca emergem em uma nuvem quando a planta é sacudida. Entre os plantios, os adultos sobrevivem em plantas alternativas hospedeiras.

Controle biológico

Usar inseticidas naturais à base de óleo de fruta do conde (Annona squamosa) para um controle populacional eficaz. Também introduzir ou estimular os antagonistas naturais, como a vespa parasita Eretmocerus eremicus, ácaros ou nematoides predadores. Fungos patogênicos também têm sido empregados para o controle/erradicação da praga. Um novo grupo de inseticidas ecologicamente corretos com propriedades surfactantes mata a mosca ultrapassando as ceras de proteção das larvas e dos adultos.

Controle químico

Sempre considerar uma abordagem integrada de medidas preventivas junto com tratamentos biológicos, quando disponíveis. A mosca-branca desenvolve rapidamente resistência a todos os pesticidas, de forma que é recomendada a rotação de diferentes produtos. Se não houver tratamento alternativo disponível, aplicar combinações de pesticidas à base de bifentrina,  buprofenzina , fenpropatrina, fenoxicarb, deltametrina, azadiractina e pimetrozina para o controle do inseto.

Medidas preventivas

  • Realizar práticas de plantio consorciado com plantas não hospedeiras.
  • Utilize plantas que repelem a mosca-banca.
  • Verificar regularmente as plantas, em especial os brotos jovens, em busca de moscas-brancas.
  • Remover as folhas com larvas ou ovos.
  • Verifique se há presença de fuligem nas folhas (fumagina).
  • Remova folhas com ovos ou larvas.
  • Não use inseticidas de amplo espectro.
  • Coloque armadilhas pegajosas nos campos para coletar moscas-brancas.
  • Remover resíduos de culturas, ervas daninhas e plantas hospedeiras alternativas durante todo o ciclo da cultura.