Tripes na Romã

  • Sintomas

  • Causador

  • Controle biológico

  • Controle químico

  • Medidas preventivas

Tripes na Romã

Scirtothrips dorsalis

Inseto


Resumo

  • As pontas das folhas ficam marrons e onduladas devido às ninfas e aos tripes adultos raspando a superfície da folha.
  • As flores podem secar e cair e os frutos podem exibir cicatrizes.

Hospedeiros(as):

Pimentão e Pimenta

Sintomas

Tanto as ninfas quanto os tripes adultos se alimentam da parte inferior das folhas e de outras partes da planta raspando a superfície e sugando a seiva. O tecido contaminado fica marrom a preto e, em casos extremos, ocorre a deformação total das folhas e posterior desfolha da planta. A secagem e queda de flores ocorre regularmente, bem como cicatrizes nos frutos que reduzirão seu valor de mercado. Embora a infestação ocorra ao longo do ano, ela atinge seu pico durante os meses mais secos e nos solos com excesso de aplicação de fertilizantes à base de nitrogênio.

Causador

Os sintomas são causados por duas espécies de tripes, Scirtothrips dorsalis e Rhiphiphorothrips cruentatus. O Scirtothrips dorsalis adulto tem cor amarelo-palha. As fêmeas colocam cerca de 50 ovos branco-acinzentados em forma de feijão, geralmente dentro de folhas jovens e botões. À medida que as populações aumentam, elas também danificam as folhas mais velhas. O período de incubação é de 3-8 dias. As ninfas recém-nascidas são minúsculas, com um corpo avermelhado que depois se torna amarelado. As ninfas que entram no processo metamórfico caem da planta e completam seu desenvolvimento em solo solto ou serapilheira na base do hospedeiro. O período de pupa dura 2-5 dias. Os R. cruentatus adultos são insetos minúsculos, delgados e de corpo mole, com asas amareladas altamente franjadas, de cor marrom-escura e medem 1,4 mm de comprimento.

Controle biológico

Tem sido relatado que vários agentes de controle biológico, como os percevejos-pirata do gênero Orius, e os ácaros fitoseídeos Neoseiulus cucumeris e Amblyseius swirskii, fornecem um controle efetivo dos tripes na romã. Ácaros predadores como Euseius sojaensis, E.hibisci e E. tularensis também têm sido usados com eficácia para controlar populações de hospedeiros alternativos como pimenta e uvas.

Controle químico

Sempre considere uma abordagem integrada com medidas preventivas junto com tratamentos biológicos, se disponível. Pulverizações foliares contendo malation são recomendadas para o controle de tripes. A aplicação de outros pesticidas também é eficaz na redução da população de S. dorsalis. Por exemplo, sabe-se que o uso de espinosina e abamectina é eficaz contra os tripes em geral.

Medidas preventivas

  • Selecione variedades resistentes, se disponíveis.
  • Armadilhas pegajosas podem ser usadas para monitorar populações de tripes.
  • Mantenha o solo bem irrigado e evite a aplicação excessiva de fertilizantes à base de nitrogênio.
  • Melhore a tolerância das árvores, mantendo uma fertilização e práticas culturais adequadas.
  • Evite plantar hospedeiros alternativos como cajueiros, videiras, goiabeiras, abacateiros e árvores de sombra ornamentais.
  • Quebra-ventos podem proteger o pomar contra infestações de longa distância.
  • Are o solo para trazer pupas até a superfície, expondo-as ao sol.
  • Evite o uso excessivo de inseticidas para preservar populações de insetos benéficos.