Pulgão Preto dos Citros

  • Sintomas

  • Causador

  • Controle biológico

  • Controle químico

  • Medidas preventivas

Pulgão Preto dos Citros

Toxoptera aurantii

Inseto


Resumo

  • Distorções dos galhos e das inflorescências e enrolamento, curvamento ou dobramento das folhas.
  • Presença de melada, que é prontamente colonizada por fumagina, deixando as folhas pretas.
  • Árvores com pouco vigor e frutos de qualidade reduzida.
  • Possível contaminação pelo vírus da tristeza.

Hospedeiros(as):

Citros

Mangueira

Sintomas

Todos os estágios de crescimento das árvores cítricas podem ser afetados. Os pulgões têm um longo aparelho bucal perfurante que utilizam para sugar a seiva nas pontas dos brotos e nas folhas jovens, causando distorções nos galhos e inflorescências, e o enrolamento, curvamento e dobramento das folhas. À medida que se alimentam do floema doce da planta, eles secretam o excesso de açúcar na forma de melada, que, ao cair nas folhas, é prontamente colonizada por fumagina, deixando as folhas pretas. Isso limita a fotossíntese e traz consequências para o vigor da árvore e para a qualidade dos frutos. O dano nas árvores cítricas também pode ser causado pela contaminação do vírus da tristeza, que os pulgões carregam.

Causador

Os sintomas são causados pelos adultos e ninfas de Toxoptera aurantii, o pulgão preto dos citros. Em geral, eles infectam as árvores cítricas e outros tipos de plantações junto com outra espécie de pulgão relacionada, T. citricida, comumente conhecida como pulgão marrom dos citros. Os adultos apresentam duas formas, com ou sem asas. Os espécimes alados podem voar por distâncias de até 30 km e são encontrados quando se tornam muito numerosos ou quando os alimentos ficam limitados. Seu corpo tem uma coloração preta-acastanhada opaca, com comprimento de cerca de 1,5 mm. O pulgão preto dos citros tem um ciclo de vida simples e uma taxa de reprodução elevada, o que pode causar infestações rápidas e severas. A faixa de temperatura para o seu desenvolvimento, sobrevivência e reprodução varia entre 9,4 e 30,4 °C. A melada atrai formigas, que, por sua vez, protegem os pulgões de seus predadores naturais. Eles são considerados um vetor da doença da tristeza dos citros e do vírus do mosaico amarelo das abobrinhas.

Controle biológico

Várias espécies de moscas-das-flores, crisopídeos e joaninhas estão entre os predadores que podem atacar os pulgões em todos os estágios de desenvolvimento. Adultas e larvas de Cycloneda sanguinea e Hippodamia convergens são dois coccinelídeos comumente usados contra esta praga. Algumas vespas parasitas específicas de culturas também podem estar disponíveis para os citros na área de interesse. O fungo Neozygites fresensii pode fornecer um controle importante às populações de pulgão durante condições úmidas. As formigas podem ser mortas com água fervente ou com soluções contendo piretrinas naturais. Soluções inseticidas, como soluções à base de sabão, detergente, extrato de neem ou de pimenta, também podem ser utilizadas contra os pulgões.

Controle químico

Sempre considere uma abordagem integrada com medidas preventivas e tratamentos biológicos, se disponível. Vários inseticidas podem ser utilizados para controlar os pulgões, mas sua eficácia depende da aplicação oportuna, como, por exemplo, antes que as folhas se enrolem ou que as populações fiquem muito numerosas. Produtos comerciais contendo óleo de petróleo podem ser pulverizados na superfície inferior das folhas, de forma a entrarem em contato direto com os pulgões. Piretróides sintéticos também parecem ser eficazes contra pulgões e formigas, mas também podem causar um impacto negativo nos inimigos naturais.

Medidas preventivas

  • Escolha sementes de plantas saudáveis ou de fontes certificadas.
  • Se possível, plante em uma área sem esta praga e isolada geograficamente.
  • Utilize redes para proteger as árvores dos pulgões ou formigas.
  • Não transporte árvores de citros de uma fazenda ou área para outra.
  • Controle o uso de pesticidas, já que eles podem afetar negativamente as populações de insetos benéficos.